terça-feira, 13 de março de 2012

Elfos em diferentes culturas

Elfos no folclore escandinavo:


No folclore escandinavo moderno, praticamente só existem elfas, que vivem em colinas e montes de pedras. As Älvor suecas são moças belíssimas que vivem na floresta com um elfo rei. Têm vida longa e são de natureza jovial. São representadas como louras, vestidas de branco e, como a maioria das entidades folclóricas escandinavas, podem ser terríveis quando ofendidas. Nos contos, frequentemente causam doenças. As mais comuns são e menos perigosas são sarnas e brotoejas, conhecidas como Älvablast (golpe élfico) e podem ser curadas por um forte contragolpe (um par de foles serve para isso). Os Skàlgropar, um tipo de petroglifo comum na escandinávia, eram conhecidos como Älvknarnar (moinhos élficos), apontando para seu suposto uso.
 Pode-se apaziguar as elfas com uma oferenda (de preferência, manteiga) posta em um moinho élfico- um costume, talvez derivado do alfablót dos antigos nórdicos.
  Para se proteger das elfas malévolas, os escandinavos costumavam gravar a chamada " Cruz élfica" (alfkrors, älvkrors ou ellakors) em edifícios e objetos. Uma de suas formas era um pentagrama, ainda frequente nas portas, paredes e utensílios da Suécia no século XX. A outra era uma cruz comum gravada em uma placa de prata redonda ou oblonga, usada como pingente de colar, que devia ser forjada durante três tardes com prata herdada . Em alguns lugares também precisava ser posta no altar de uma igreja por três domingos consecutivos.
   As elfas podem ser vistas dançando nos prados, principalmente à noite ou em manhãs brumosas. Se um humano observar a dança das elfas por umas poucas horas, pode descobrir que se passaram muitos anos no mundo real. Elas deixam um circulo onde estiverem dançando, que é chamado alvdanser ( danças élficas) ou alvringar ( anéis élficos), e acredita-se que urinar neles causa doenças veneras. Pisá-los ou destruí-los também é perigoso. Geralmente, os anéis élficos são formados por pequenos cogumelos, ou são áreas circulares onde a grama foi achatada.
Se se interessou por anéis mágicos, que também servem de passagem para outros reinos, leia a postagem no meu blog adancadasfadas.blogspot.com que fala sobre o famoso anel das fadas.

Elfos no folclore Alemão:


No épico medieval alemão Nibelungenlied ( A canção dos Nibelungos), um anão chamado Alberch tem um papel importante. Alberich significa literalmente " Rei elfo ", o que contribui para a confusão entre anões e elfos, já observada nos Edda. Através do francês Alberon, o mesmo nome originou o inglês Oberon - rei dos elfos e das fadas ( fairies ) em Sonho de uma niote de verão de Shakespeare.
 No folclore alemão posterior à cristianização, os elfos passaram a ser descritos como entidades travessas que causam  doenças ao gado e as pessoas e trazem maus sonhos. A palavra alemã para pesadelo, albtraum, significa " sonho élfico ". A forma arcaica albdruck significa " peso ou pressão" do elfo, acreditava-se que os pesadelos eram resultado de um elfo sentando-se sobre o tórax do sonhador. Esse aspecto da crença alemã nos elfos corresponde em boa parte à crença escandinava nos Mara e às lendas cristãs sobre íncubos e súcubos.
  A maioria dos elfos em baladas medievais inglesas são do sexo masculino e freqüentemente de caráter sinistro, inclinados ao estrupo e assassinato, como o Elf- knight (cavaleiro elfo ) que rapta a rainha Isabel. A única elfa mencionada com freqüencia é a rainha dos elfos, ou Elfland. Já nos contos populares do ínicio da Idade moderna, os elfos são descritos como entidades pequenas, esquivas e travessas, que aborrecem os humanos ou interferem em seus assuntos.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Gnomos levados, Duendes travessos © 2008. Template Design By: SkinCorner